31 de janeiro de 2013

Tolerância tem limite

Sou uma pessoa cheia de defeitos. Sou chorona, chatinha, se brigo com alguém não sossego até sentir que as coisas estão bem, um tantinho teimosa e esses dias ouvi que sou negativa (apesar de nisso, não concordar). Devo ter ainda outros defeitos que não reconheço ou que não sei que tenho.

E o mesmo acontece com as qualidades. Tenho as que enxergo em mim e devo ter outras que eu nem saiba.

Na linha entre uma coisa e outra, está entre as minhas características, a tolerância. Digo que ela fica entre o defeito e a qualidade porque não sei definir se ser tolerante, como eu sou, é bom ou ruim. Acho que ser capaz de aceitar as pessoas que eu amo como elas são, na sua integralidade, ou passar por cima de grosserias cotidianas em nome da relação que une os amigos é bom para a convivência entre os humanos. 

Mas por outro lado, em nome dessas mesmas coisas, a gente vai acumulando pequenas mágoas que não teriam a menor importância se fossem isoladas mas que, acontecidas repetidamente, viram uma coisa bem grande, e aí qualquer palavra torta vira motivo de um cansaço sincero. Não é físico. Esse cansaço se manifesta na falta de paciência para pequenos desaforos, que em dias bons me passam batidos, e na sensibilidade que fica muito exaltada.

É raro meu estado de espírito chegar a esse ponto, mas quando ele chega, qualquer coisa me faz chorar. Ruim mesmo fica quando amigos soltam ferroadas bem doloridas. Ouvi coisa de todo o tipo: que estou na TPM, que estou carente (mas não com palavras assim delicadas), que sou tonta, estressada, e por aí vai... 

E aí, minha tolerância que já está bem baixa nesses dias, fica quase nula. E então eu fico pensando se a culpa de ser tratada dessa forma não é totalmente minha. Talvez seja. Tenho pra mim que é melhor ser feliz do que ter razão e por isso todas as vezes que alguém me magoa, eu relevo. Talvez seja por isso que meus amigos tenham tanta dificuldade em perceber que, as vezes, eu preciso de colo. Simples assim...

Que tal um "você precisa de alguma coisa", assim, só pra variar?

Cupcakes da Ana Luiza

Ana Luiza é uma menininha que eu não conheço, mas que vai ter o meu dedinho na sua festa de 3 anos que acontece no próximo sábado. É que a sua mãe - que eu também não conheço - encomendou os cupcakes que eu faço para retribuir o carinho a quem for dar uma beijoca de aniversário na filhota.

O tema da festa são os palhacinhos Patati e Patatá, e então eu fiz os bolinhos de toalhas nas cores dos personagens.



Forminhas que funcionam

No último fim de semana comprei 6 forminhas de silicone para fazer um teste, com mini-bolinhos. Quando cheguei em casa e as desembalei, confesso que fiquei meio decepcionada com o material. Tinha certeza de que iriam derreter muito antes de o forno esquentar pra valer. 



Mas elas aguentaram direitinho e os bolinhos assaram como deviam. Só acho que essa receita que assei não é ideal para bolos tão pequeninos porque ele é muito fofo e aerado, então desmancha com facilidade. De qualquer forma, a intenção era saber se a forma ia aguentar a temperatura, e elas passaram no teste. O investimento de R$ 6,00 (por todas elas juntas) valeu a pena.


29 de janeiro de 2013

Já que eu não compartilho lá...




Hoje o Facebook me fez falta para que eu pudesse curtir o post da imagem abaixo, do Kibeloco.

Então, como eu não compartilho lá, resolvi fazê-lo aqui...

E não é que é????!!!!!!!...





P.S.: e com a vantagem de que o salão nos toma bem menos tempo e massa cinzenta!

28 de janeiro de 2013

Quando o problema vira solução






E a velha máxima "se a vida lhe der limões, faça uma limonada" continua valendo... pra sempre...

Tigela antissolidão?

Um estúdio de design criou tigelas com entrada para iPhone para facilitar a vida dos usuários que dependem psicológicamente gostam de navegar na internet enquanto jantam. Criadas pelo Miso Soup Design, liderado por Daisuke Nagatomo, do Japão, e Minnie Jan, dos Estados Unidos, as tigelas 'antissolidão' ainda não estão disponíveis para venda.

Gostaria de ter palavras para expressar minha indignação sobre os efeitos que o uso da internet causam nas pessoas, a ponto de fazer com que alguém desenvolva um produto como esse.

Para a tigela antissolidão, antidepressivos!!!!!!!!!!!

Mas me surge uma questão: depois do jantar, o cidadão aí da foto esticou o programinha com o seu iphone?


Doces violetas

Não dá até pena de cortar? E dá pena de pagar também...

O mimo, feito por uma confeitaria na Califórnia, é entregue congelado e serve até 4 pessoas. Lindo, mas o preço do doce é bem salgado. Cada vasinho custa U$100,00.


23 de janeiro de 2013

Da série "eu tenho inveja dessa ideia"

Tem coisas, como eu sempre digo aqui, que me fazem sentir uma inveja danada (mas das boas), da ideia. Uma delas é o zíper, por exemplo. Não são raras as vezes que eu fico estudando o mecanismo do zíper, em como as engrenagezinhas se encaixam, e acho simplesmente a cosia fantástica. Fico pensando em como o cara que inventou o zíper, pensou nisso, e se lhe deram o devido valor, na época.

E aí, no mesmo sentido, eis que me deparo com essa foto abaixo.


A kombi da cerveja é um antigo refrigerador da marca General Eletric que foi restaurado e está à venda por U$ 3.500,00 conforme site. Adornada com peças originais de carros wolkswagen, como faróis e retrovisores, por exemplo, a geladeira traz dois câmbios de chopp frontais (ou seja, você tira seu chopp aí na porta mesmo). O anúncio chama a kombosa de Kegerator (keg + refrigerator = barril + geladeira). 

Sendo assim, não sei dizer se a peça apenas é um reservatório e resfriador de chopp, ou se tem a função de guardar alimentos também. Pode ser que o chopp fique só na porta, sei lá...

De qualquer forma, eu adoraria ter um, nem que servisse apenas de armário. Mas, se o chopp vier junto, melhor!!

21 de janeiro de 2013

Dando um jeitinho na mancha de ferrugem

Tenho uma camiseta branca, com duas pequenas manchas de ferrugem. São manchas bem pequeninas mesmo, mas muito escuras, e aparecem de longe.

A camiseta já foi muito usada, mas ainda está ótima, e tinha pena de não usá-la mais porque ela é muito confortável.




Então me lembrei de mini-botões em formato de coraçõezinhos que tenho nos meus guardados de costura.

Pensei em aplicá-los em cima da mancha, para dar conta desse incoveniente.








Aproveitei (a inspiração e a insônia, rsrsrs...) e apliquei também, em outra peça, botões de corujinhas em volta do decote.

Esses botões são importados e só o encontramos (em vários formatos e cores) em bazares ou lojas tipo armarinhos bem grandes.

São feitos de uma mistura de cerâmica e plástico, resistente à lavagem.  



São tão lindos que fica bem difícil escolher qual comprar, e também não são muito baratinhos.

Um pacotinho com 4 peças custou R$ 5,00, mas tem alguns modelos que custam até R$ 12,00. 

É mesmo para dar um mimo à alguma roupa, e só... 

20 de janeiro de 2013

Natureza dando show

Nesse caso, o beija-flor beijaria a flor, ou a flor beijaria o beija-flor?

Não é impressionante o formato da Psychotria elata, popularmente conhecida como Flor-beijo?

Da família Rubiaceae, ela é nativa da Colômbia, Costa rica, Panamá e Equador. 

Linda, linda...

Bom comercial 10 :: Creme dental Oral B

Quem me conhece ou acompanha o blog, sabe que eu gosto muito de comerciais de televisão, embora faça algum tempo que eu não poste os links para os que eu acho interessante. 

Hoje recebi o link do comercial do creme dental Oral B, estrelado pelo Rodrigo Faro, ou melhor, pelo queixo dele. É muito legal...


Os livros desse fim de semana

Não tenho tido sorte com livros recomendados. Ontem iniciei a leitura de "A Casa dos Budas Ditosos", de João Ubaldo Ribeiro. Terminei hoje, meio empurrada. Ele me foi recomendado por uma amiga, como havia sido recomendado também "50 tons de cinza". Exceto pelo conteúdo quente, os dois são incomparáveis entre si, e não gostei nem de um e nem de outro.

A Casa dos Budas Ditosos é cansativo e não me atraiu. E, apesar de incomparáveis, é impossível não pensar em como não gostei de dois livros com conteúdos bem parecidos, mas repito, bem diferentes.

Minhas considerações sobre 50 tons de cinza, deixei em outro post.

Encontrei uma explicação por não ter gostado de A Casa dos Budas Ditosos: acho difícil alguma leitura sobre sexo atingir as expectativas, que sempre são grandes. Parece que qualquer coisa que se escreva sempre deixa a desejar...

Minha conclusão: desinteressante.

Agora vou tentar o segundo desse fim de semana: O Médico e o Monstro.

Artesanato preto? Pode apostar...


Já pintei essa gaiolinha de muitas cores. Várias brancas, beges, e rosa bebê. Geralmente enfeito com pérolas e fitas. Dessa vez, a madeira ganhou tinta preta e pedrinhas de strass. Bem bonita... Aproveitei e terminei uma bege, que tinha partes por pintar.

 

Visita ao Sebo

Reservei parte da tarde de sábado para garimpar no sebo. Fui especialmente interessada em CD´s, já que todos os meus foram roubados junto com o meu carro, há pouco mais de um ano, e eu ainda não repus minha coleção - mas agora pretendo fazê-lo, e no livro A Casa dos Budas Ditosos.

Achei o livro, que me custou R$ 10,00 e o CD Ommagio a Federico e Giulietta, de Caetano Veloso, por R$ 5,00. Nas lojas, o livro custa R$ 36,90 e o CD, R$ 25,00.

Para livros, o preço compensa, e muito. Meu exemplar, que ainda tem um selo da extinta livraria Siciliano, está impecavelmente conservado, como se nunca tivesse sido manuseado. Acho até que nem foi lido pelo seu antigo dono. Além disso, na loja ele custa quase o triplo do valor que eu paguei. 

Quanto aos CD´s, talvez valha pelos mais raros, que nem foi o caso da minha aquisição, propriamente. Digo isso porque achamos facilmente CD´s por R$ 8,00... R$ 10,00 nas lojas. De qualquer forma, comprei o do Caetano porque o artista me interessa muito. Escolhi especialmente esse, entre outros dois dele que estavam nas estantes empoeiradas do Sebo, pela faixa 16, de título Patrícia. Achei graça... Conheço muitas músicas do Caetano, mas essa nunca tinha nem ouvido referências. Trata-se de um mambo, bela Patrícia...


O passeio ao Sebo valeu muuuuito a pena. De R$ 61,90, gastei apenas R$ 15,00 com meus presentes pra mim mesma!

16 de janeiro de 2013

Praticidade na cozinha :: tesoura muito legal

Não conhecia, mas agora não quero viver sem! rsrsrs...

Algumas invenções são muito fantásticas, não é? Eu, por exemplo, as vezes fico muito tempo abrindo e fechando o zíper para entender como funciona o seu mecanismo, e imaginando como é que uma pessoa conseguiu pensar nisso. Acho o zíper uma coisa espetacular!

Em visita ao site Delícias 2001, da Déborah, achei a foto desse mimo culinário. P-r-e-c-i-s-o de uma dessa entre os meus utensílios!


A tesoura tem 10 lâminas e corta temperinhos todos do mesmo tamanho, e bem rapidinho. Ela explica no site que comprou em uma viagem ao exterior, mas que já conhecia o produto por meio da internet. Eu adorei!


Ahhh, essa criança ! :: sobre o suco de colágeno

Hoje meu filho soltou mais uma de suas pérolas. Mas antes vou explicar a coisa toda.

Ganhei de uma amiga 1 litro de um suco bem invocadinho. Na embalagem bacana, as inscrições prometem a ingestão de coisa saudável, e eu fui toda pimpona mostrar o presente ao Vitor. Ele, no auge da sabedoria rebelde do adolescente de 14 anos, se acha o politicamente correto, então eu achei que ia abafar com o "suco de gente grande".
   


À medida que ia lendo a composição do suco, o Vitor ia fazendo caretas impagáveis. 

Fui interrompida quando citei o colágeno, como um dos ingredientes.

"Colágeno? Não era mais fácil chupar um casco de cavalo?"

Não. Não é mais fácil. Mas de qualquer forma, como ele pensa nisso?

Novos imãs, agora de tecido

No último domingo fiz uns imãs para prender fotos ou bilhetinhos em metais, decorados com matrioskas de papel que tinha em casa. Não fiquei muito satisfeita com o resultado e disse, aqui no blog, que faria outros, de tecido.

Pois bem. Ontem comprei um pacotinho com 5 folhas imantadas, tamanho 10x15cm e 0,04mm de espessura. As folhas são autocolantes, ou seja, de um lado, tem imã e do outro, cola. O preço é bem interessante: apenas R$ 9,90, na Kalunga (aproximadamente US$ 5). 


Então cortei grosseiramente o contorno das bonecas estampadas em um tecido que tenho, e que uso com muito rigor, porque fico com pena de "gastá-lo". rsrsrsrs... Resolvi colar os recortes e só depois cortar direitinho o contorno da matrioska, para não desfiar o tecido no manuseio. Deu certo: não desfiou nenhum fiozinho.




Ficaram bem maiores das que fiz no domingo, e mais resistentes também. Fiquei mais satisfeita e a folha imantada está aprovadíssima.

15 de janeiro de 2013

Dureza


Hoje, ao chegar no jornal em que eu trabalho, vi esta cena na praça que fica em frente à Catedral da cidade. Na foto não dá pra perceber, mais chovia bastante nesse momento. Embaixo do plástico, o senhor lê algo.

"Um dia frio, um bom lugar pra ler um livro..." e eu pensei - nem tudo serve de inspiração, Djavan...

De volta aos 4 anos de idade


Marina, minha sobrinha, tem apenas 4 anos e muito mais Barbies do que consegue brincar (exceto quando faz o desfile de moda das bonecas e diz que é o desfile da Victoria Secret´s). Por sua vez, suas Barbies tem mais sapatos que eu e minhas irmãs, juntas.

E, para lá e para cá, Marina arrasta sua sacola de bonecas, roupinhas e acessórios. Vai pra casa dela, pra casa das avós, das tias, e carrega a tralha toda. 

Vendo que o guarda-roupas das bonecas é uma caixa de sapatos, prometi que pintaria um móvel, em mdf, para ela.

Procurei, procurei, e não achei o guarda-roupinha. Então improvisei. Comprei uma caixa de joias, com bandejas divisórias dentro, e um outro porta-joias, com gavetinhas, e os transformei em móveis de quarto.



E o quartinho ficou assim. Usei as bandejas divisórias que vieram na caixa de joais e fiz a cama. Comprei cabidinhos, coloquei a barrinha para acomodá-los, costurei travesseiro... Enfim, brinquei de boneca por umas boas horas, e adorei o que fiz. 

E, modéstia à parte, a ideia do espelho na porta do guarda-roupa não é fantástica? Quase tão fantástica quanto a cabeceira da cama, que dá um trabalhão pintar...







A Barbie até ganhou um bebê!! Pintar tudo, costurar a caminha, pensar nos detalhes do móveis e montar o quarto foi bem terapêutico. Bom é ter quatro anos, pelo menos de vez em quando...


Amanhã levo tudo pra ela, e garanto mais umas boas horas de brincadeira...   :)
Tia Pá vai ganhar beijocas!!!